. Meu Perfil




BRASIL, Centro-Oeste, Homem, de 36 a 45 anos, Portuguese, English, Esportes, Música, Casado, Um filho, mora em Goiânia e SP



.Outros sites

Amigos da Velocidade
Amigos da Truck
Formula Truck
Jovem Pan AM
Blog Dentro e Fora das Pistas
Blog da Indy
Band
VW Fórmula Truck
Blog Velocidade Máxima
Blog do Lívio Oricchio
Blog Memória
Twitter
Orkut
Danilo Dirani
UOL - O melhor conteúdo
BOL - E-mail grátis


. Histórico

 
 
 


 
 
  Votação

Dê uma nota para meu blog

 
 

Leia este blog no seu celular

Blog melhor visualizado na resolução 1024 x 768 ou superiores.




Morte do inocente. Mais uma

 

A morte está banalizada nos dias de hoje. Você abre qualquer jornal, em qualquer cidade do Brasil, e lá estão uma, duas, três - às vezes - dezenas de notícias. Coisa que não vemos, por exemplo, na Alemanha. Lá não há um crime com morte por dia. No Canadá, da mesma forma. Aqui já não choca como antes. Agora estamos diante de um fato novo de um velho problema. Morte no futebol, morte no divertimento. No prazer.

O garoto Kevin Espada, de 14 anos, não conseguiu vibrar com o gol de empate do seu time, o San Jose, na última quarta. Foi atingido por um sinalizador marítimo - que pode chegar a velocidade de 360 Km/h. São muitas perguntas que devemos fazer: 

 

- Como este sinalizador pode ser utilizado em um campo de futebol?

 

- A revista da polícia, se houve, foi pra lá de meia boca?

 

- O ator de soltar o tal artefato foi um acidente?

 

- Ou, realmente, teve-se a intenção de jogar na torcida adversária?

 

- Qual seria a melhor punição para o clube?

E por aí vai. Mas o problema é bem maior do que este. Uma vida se foi em um jogo de futebol. O mínimo que se pode esperar é a punição dentro da lei e que seja dura para o autor. Pelo que fiquei sabendo ontem, através de imagens [e mesmo declaração informais de torcedores], esta pessoa já está circulando por São Paulo. Os 12 presos podem até ser da turma. Podem até ser punidos. Mas o principal parece que não está na cela.

A punição de fazer o Corinthians jogar com portões fechados, nas partidas em que é mandante, entendo como correta. É até branda. Porque precisamos de atitudes duras para que o futebol seja encarado com um esporte para diversão. E não brigar ou matar. As torcidas organizadas, aqui, na Argentina, estão afastando muitas pessoas de bem dos estádios.

Está na hora de todos sentarem e encararem isto de frente. Não com declarações como a do presidente do Corinthians Mário Gobbi: “não dá para saber se o agressor é corintiano, santista ou são-paulino". E mais: “aprendi, se o crime, se comprovado, não passa da pessoa que o cometeu.”  

Não posso concordar. As leis do esporte na América do Sul, mesmo vagas, dizem que a torcida é como parte integrante do time. A agremiação tem de ser responsável.

Na Europa, o que mais víamos eram brigas e mortes de torcedores. Hoje praticamente acabaram. As punições coletivas e individuais foram duras e ninguém ficou colocando o problema para baixo do tapete. Encararam de frente. Afinal, são vidas que estão sendo perdidas. Em alguns casos de garotos com o sonho de apenas ver seu time ser campeão e ter um pouco de alegria.

Neste momento, não podemos pensar apenas no prejuízo deste ou daquele time. A punição, pela sequência de fatos até aqui e pelo regulamento, até achei branda. Mas o que mais me preocupa é que não querem encarar o problema de frente. Sem prejuízo e vantagens para este ou aquele time. Sim, temos de ter paixão pelo clube. Mas apenas na hora de torcer. Muito mais importante que isto é ainda salvar mais vidas e sermos justos.

 

 



 Escrito por Téo José às 10h32 [] [envie esta mensagem] []






Os novos testes da F1

A Fórmula 1 volta à pista na próxima terça-feira com novos testes em Barcelona. Estes bem mais importantes do que os vistos em Jerez. A partir de agora, as equipes tentarão resolver os problemas apresentados pelos novos carros e outros times buscarão um melhor desenvolvimento. Pelos dados técnicos mostrados, depois de Jerez, e pelas declarações, deu para sentir que a Sauber pode ser uma boa surpresa. Dá para ver que o novo modelo tem significativas mudanças e andou muito bem. Mesmo sem sabermos em que condições.

A Ferrari tem um carro melhor do que aquele de fevereiro de 2012. A Red Bull só se preocupou em andar com o tanque cheio. Pelas informações, o maior problema do time de Sebastian Vettel é a falta de velocidade final. Nunca foi o forte. Mas parece que agora, com a determinação de pontos de utilização dos aerofólios traseiros em classificação, pode ser mais prejudicada. Vejo um maior equilíbrio. O que acho muito importante. As regras também precisam ser voltadas para maior competitividade. Apesar de achar esta história de abrir e fechar aerofólio algo meio artificial.

Talvez para as primeiras corridas, a situação seja um pouco diferente dos testes porque os pneus estão sendo exigidos no inverno da Espanha - onde as temperaturas não devem passar dos 16 ou 17 gruas [isto com otimismo]. Mas já teremos uma ideia.

Fernando Alonso tem tudo para ser o destaque em Barcelona. Será primeira vez com o novo Ferrari. Se Felipe Massa fez muitos testes de funcionamento, ele já vai buscar os primeiros acertos. Com certeza será rápido. McLaren, ainda é uma interrogação e Mercedes me parece longe da luta pelo titulo. Lewis Hamilton, pensando na parte técnica, fez uma péssima troca.



 Escrito por Téo José às 09h04 [] [envie esta mensagem] []




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]